Trânsito

A Polícia Civil investiga se foi um acidente que vitimou Luiz Carlos da Silva Marques, 63 anos, sargento da reserva da Brigada Militar, no choque entre uma van e um ônibus de turismo, ou o policial militar teria jogado o veículo deliberadamente contra o coletivo. Antes do acidente, que ocorreu às 6h40min deste domingo, no km 209 da BR 386, em Tio Hugo, a casa do sargento da reserva foi incendiada e o suspeito de ter colocado fogo é ele.

De acordo com a Companhia de Concessões Rodoviárias (CCR), quatro passageiros estão em estado grave, sete em estado estável e 35 sofreram ferimentos leves. O ônibus vinha de Quedas do Iguaçu (PR) e tinha como destino a Arena do Grêmio, onde ocorre o Gre-Nal.

Com o acidente, o coletivo saiu da pista e caiu em um barranco. O motorista da van chegou a ser atendido pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), mas morreu no local. Alguns passageiros do ônibus também foram atendidos pelo Samu, no local, e liberados. Outros foram encaminhados a hospitais de Passo Fundo, Soledade e Carazinho, municípios da região e próximos ao local do acidente.

Casa incendiada

Segundo a Brigada Militar, horas antes do acidente, uma equipe do Corpo de Bombeiros foi mobilizada para atender a uma ocorrência de incêndio em um imóvel em Capivari do Sul. Quando chegaram ao local, os bombeiros encontraram uma caminhonete Toyota Hilux fora do pátio da residência. O veículo teria sido retirado por populares quando o fogo começou. Segundo os bombeiros, havia vestígios de gasolina no interior da caminhonete e uma caixa de fósforos estava em cima do banco. Ao lado do veículo, estavam alguns galões de gasolina, um deles cheio. A carro pertencia ao ex-PM.

A ex-mulher do brigadiano, de acordo com a ocorrência, foi localizada em Gravataí, onde ela foi à DP para registrar queixa. Segundo a BM, ela afirmou que o sargento teria ameaçado atear fogo na casa. O casal está em processo de separação e a mulher tem medida protetiva contra o sargento da reserva.

Correio do Povo