Internacional
Foto: Vilson Winkler

No dia 21 de março de 2020, ocorreu o fechamento da fronteira entre Brasil e Argentina, nas Aduanas dos Municípios de Porto Mauá (Brasil) e Alba Posse (Argentina), devido ao coronavirus, sendo que nestes primeiros dias de fechamento, só podiam fazer a travessia de balsa os brasileiros ou argentinos que se encontravam fora do país de origem, após o retorno destes, as travessias fórum suspensas definitivamente.

No dia 13 de abril de 2020, foram restabelecidas as travessias de balsas, mas somente para caminhões.

Na terça-feira, 21/09/2021, a Argentina anunciou a abertura de fronteiras para turistas provenientes de países vizinhos, entre eles o Brasil, a partir de 1º de outubro, e para estrangeiros dos demais países a partir de novembro. Para não fazer isolamento após a chegada, os turistas precisarão ter o esquema completo de vacinação há pelo menos 14 dias, fazer PCR antes da viagem, um teste de antígenos na chegada à Argentina e outro PCR entre 5 e 7 dias depois. Quem não tiver o esquema completo de vacinação, incluindo os menores de 17 anos, poderá embarcar, mas precisará fazer quarentena após o desembarque.

De acordo com a Ministra da Saúde, Carla Vizzotti, as datas anunciadas são estimadas, e entre outubro e novembro as fronteiras terrestres serão abertas progressivamente pela autoridade sanitária Argentina, assim como a quantidade de pessoas vindas do exterior que podem entrar no país através de portos, aeroportos e passagens fronteiriças terrestres. Ainda de acordo com o planejamento do governo argentino, a partir de 21 de setembro, os argentinos e estrangeiros que venham ao país, chegarem ao país a trabalho já não precisarão cumprir isolamento. Segundo Vizzotti, quando mais de 50% da população argentina estiver totalmente vacinada, os turistas imunizados já não terão que realizar os testes após a chegada ao país. Hoje, 43,7% dos argentinos contam com a vacinação completa. Entre os anúncios feitos pela ministra, está o fim da obrigação do uso de máscara durante a circulação ao ar livre, que estava vigente no país desde o ano passado. Mas o uso da proteção ainda é obrigatório em ambientes fechados ou ao ar livre em caso de reuniões. Além disso, o país voltará a permitir reuniões sociais ao ar livre sem limite de pessoas, a ocupação máxima de 100% em locais fechados para atividades econômicas, culturais, industriais, sociais, religiosas e esportivas, com medidas de prevenção, viagens de aposentados e de formaturas, discotecas com ocupação de 50% da capacidade para pessoas com vacinação completa há pelo menos 14 dias. Segundo a ministra da saúde, as novas medidas são possíveis devido à melhora da situação epidemiológica, com 16 semanas seguidas com quedas de casos, e 14 com diminuição de internações e mortes, sem aglomerados urbanos com alto risco pela covid-19. De acordo com ela, a vigilância genômica do país indica que não há circulação predominante da variante Delta no país. Atualmente, a cepa de maior freqüência na Argentina é a de Manaus.

De acordo com os últimos levantamentos estatísticos realizados pela Receita Federal de Porto Mauá, em 2010 haviam cruzado pelo porto 57.789 veículos, média diária de 158 veículos. Em 2011, 51.325 veículos, com média diária de 141 veículos, e fluxo de pessoas 196.307, média diária de 538.

Segundo informações da Migracion Argentina, o teste piloto será realizado em Porto de Iguaçú, o segundo em Possadas, o terceiro na divisa seca de Dionísio Cerqueira e por último os outros portos, sendo que provavelmente será limitado o número de pessoas por dia, além disso, o acesso será apenas para turistas e não para comércio formiga. A previsão de abertura dos portos de Porto Mauá, Porto Xavier e Porto Vera Cruz, será para o mês de dezembro, se tudo der certo nos testes de abertura.

Vilson Winkler