Região
Frederico Westphalen. Foto: Reprodução

“Se não olharmos para a economia, não vamos ter dinheiro para a saúde”. A fala é do prefeito de Iraí, Vilson Bernardi, e reflete uma preocupação dos gestores dos municípios. Eles temem ter que chefiar “cidades fantasmas”, como definiu Bernardi. O tema foi motivo de reunião entre promotores de Justiça das Comarcas de Frederico Westphalen, Seberi, Planalto e Iraí, prefeitos e 19ª Coordenadoria Regional de Saúde (19ª CRS) na sede do MP-FW, na tarde desta quarta-feira, 8.

Na região de abrangência da 19ª CRS, não há nenhum caso confirmado de COVID-19 e por isso, os prefeitos da região defendem a abertura gradual dos estabelecimentos comerciais, com a ideia de gerar renda e mantendo empregos neste período. Há uma expectativa de que novos decretos possam estabelecer novamente o fechamento durante a pandemia. “Olhamos para o mapa e vimos que estamos próximos dos municípios infectados, mas existe um desconforto das pequenas lojas que não estão trabalhando. Às vezes uma indústria com muitos funcionários está aberta e uma loja pequena com dois colaboradores não”, argumentou  o prefeito de Frederico Westphalen, José Alberto Panosso.

A coordenadora da 19ª CRS, Marly Vendruscolo fez ressalvas sobre o atendimento no comércio. “É neste momento [onde não há casos confirmados] que deve ser feita a flexibilização. Por que lá na frente, vamos ter que fechar. Temos que trabalhar juntos para flexibilização gradativa. Daqui a 15 ou 20 dias, poderemos ter que fechar e aí será muito mais sério”, afirmou.

Com o encerramento previsto no decreto estadual, para a próxima quarta-feira, 15, os prefeitos irão aguardar as próximas definições do governador Eduardo Leite. Mesmo assim, os promotores de Justiça irão debater possibilidades jurídicas para que os municípios não sejam prejudicados. “Vamos estudar e ver o que institucionalmente podemos fazer pela região”, ressaltou João Pedro Togni, promotor de Justiça da Comarca de FW. Além disso, se encontrada uma solução jurídica, os municípios deverão emitir um decreto padrão. Até esta quinta-feira, 9, os prefeitos deverão receber alguma instrução.

Ficou definido que as Secretarias Municipais de Saúde devem iniciar orientações para que a população utilize máscaras caseiras, com a finalidade de que as disponíveis no mercado – ou seja, as fabricadas pela indústria –, sejam preferencialmente utilizadas pelos profissionais de saúde.

Folha do Noroeste