Cidade
Serviço havia sido interrompido por falta de recursos das prefeituras. Foto: Caridade/Facebook

Era manhã do dia 24 de julho de 2019 quando a ambulância do Samu Salvar foi deixada no pátio em frente à prefeitura de Três Passos. O veículo havia sido devolvido pelo Hospital de Caridade, que não suportava mais arcar, praticamente sozinho, as despesas para prestar o serviço devido ao repasse insuficiente de recursos dos municípios conveniados. Para se ter ideia, Três Passos, com quase 24 mil habitantes, repassava mensalmente apenas R$ 1.050,00.

Nesta sexta-feira, 11, às 19 horas, foi retomado oficialmente em Três Passos, que repassou duas ambulâncias, o serviço SAMU/Salvar. Outros cinco municípios fazem parte da base de operação da equipe: Bom Progresso, Esperança do Sul, Humaitá, Sede Nova e Tiradentes do Sul.

Prefeitura repassava apenas R$ 1.050,00 ao hospital. Foto: Arquivo/TP News

Ao Hospital de Caridade caberá a execução total do programa Samu/Salvar, manutenção da sede física junto a sua estrutura e a contratação dos profissionais. Aos municípios caberá o repasse de valores, conforme rateio per capita. Para o custeio mensal das despesas relativas ao SAMU, o hospital receberá cerca de R$ 10.300,00 do Estado, R$ 13.625,00 da União e R$ 25 mil das seis prefeituras conveniadas. O recurso da União pode ser aumentado para um patamar de até R$ 21.500,00, após a retomada dos serviços.

A equipe do SAMU é integrada por cinco condutores, cinco técnicos de enfermagem e um enfermeiro coordenador. Todos os condutores possuem formação técnica em enfermagem, o que possibilita qualificar ainda mais o serviço. As equipes trabalham em revezamento, a partir de turnos de 12 horas.

VEJA TAMBÉM