Saúde
Foto: Reprodução

Na manhã desta quarta-feira, 25, o presidente Jair Bolsonaro declarou que a nova orientação ao Ministério da Saúde é que apenas idosos e pessoas em comorbidades (quando há mais de duas doenças) fiquem em isolamento. “Conversei por alto com o Mandetta hoje e vamos definir a essa situação. A orientação vai ser o isolamento vertical daqui para frente. Eu não decidi, vou conversar com ele e tomar a decisão”, destacou em coletiva realizada enquanto saía do Palácio da Alvorada. Ele ainda reforçou que se deve apenas “preservar os idosos e quem tem problema de saúde, mas nada além disso. Se não todos nós pagaremos um preço que levará anos para ser pago.”

Ainda na coletiva, Bolsonaro deixou o seu posicionamento com relação às medidas tomadas por estados e municípios para controlar a epidemia do covid-19. “Certas autoridades municipais e estaduais estão tomando medidas, ao meu ver, além da normalidade. Proibindo o tráfego de pessoas, de rodovias, fechando empresas, comércios. 38 milhões de autônomos no Brasil e parte deles não estão ganhando seu ganha pão. Vamos ficar com o caos e o vírus. Juntos. O que precisa ser feito? Botar esse povo para trabalhar”, enfatizou.

O presidente ainda comentou sobre as mensagens de as informações que circulam com relação ao coronavírus. “Eu mando uma mensagem de paz e serenidade para o Brasil. O que eles estão fazendo é um crime, estão destruindo o país. Sem dinheiro não há produção.”

Por último, Jair Bolsonaro disse qual seria a realidade do Brasil. “Temos a cloroquina, tive relatos de que está sendo eficiente, mas é necessário ver a dosagem. Este medicamento é produzido no país. Daqui para frente será desemprego em massa, o caos está vindo aí desabastecimento está vindo aí também.”

Na noite de ontem, 24, o presidente fez uma declaração oficial, transmitida em rede nacional, que causou polêmica em todo o país. Em sua fala, o chefe do executivo federal deixava claro a orientação de que a população deveria sair de casa e voltar a trabalhar. Questionado hoje pela manhã, Bolsonaro confirmou que o discurso foi escrito por ele mesmo.

O Globo