Economia
Foto: Divulgação / Ministério do Desenvolvimento Regional

Oministro do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto, indicou nesta sexta-feira (4), em Porto Alegre, que a primeira faixa do programa Minha Casa Minha Vida terá uma redução no teto de renda das famílias, passando de R$ 1,8 mil para R$ 1,4 mil. As mudanças de valores fazem parte da reformulação do programa, que está sendo gestada pelo governo de Jair Bolsonaro.

— Isso está sendo calibrado. (Deve ser até) R$ 1,4 mil a faixa que terá um auxílio, e até R$ 1 mil a faixa que estará completamente sem tomar crédito. São alguns pontos que a (equipe da) Economia está nos ajudando — disse Canuto.

A primeira faixa do Minha Casa Minha Vida é aquela em que não há cobrança de juros e cujo valor pago pelo beneficiário se limita a 10% do custo do imóvel. É a faixa, portanto, em que há maior subsídio do governo, para as famílias com menor renda.

O ministro ainda garantiu que o governo federal subsidiará novas obras do programa em 2020, e não apenas a continuidade de obras já iniciadas.

— A continuidade do que está em construção é garantia. Novos empreendimentos também estão pensados. O volume ainda está sendo pensado. Mas terão novas contratações, no novo modelo. Haverá, sim, novas unidades — disse Canuto.

GZH