Saúde
Foto: Sergio Andrade/Governo do Estado de São Paulo/ND

A tão esperada imunização contra o coronavírus tem chegado a cada vez mais pessoas. E diante do aumento de vacinados, também cresce o número de relatos sobre as reações à vacina contra Covid-19. Mas, afinal, quais são elas e por que acontecem?

O que causa as reações às vacinas

O infectologista e coordenador do curso de Medicina da Univali, Pablo Sebastian Velho, explica que toda vacina, não apenas a que combate o coronavírus, pode gerar reações no corpo humano.

Isso ocorre porque elas possuem pequenas partículas dos agentes etiológicos, que são os causadores da doença que se quer evitar.

“Qualquer vacina ou substância estranha que entra no nosso corpo pode produzir reação. Quando isso ocorre, o nosso sistema imunológico está justamente reconhecendo essas coisas estranhas como adversas para o organismo”, destaca.

Dessa forma, a reação é normal durante a produção de anticorpos que, no caso das vacinas contra a Covid-19, vão evitar o desenvolvimento da forma grave da doença.

Quais são as possíveis reações da vacina contra a Covid-19

As reações à vacina contra a Covid-19 podem variar conforme o modo pelo qual elas são produzidas e funcionam no organismo. Veja como cada uma funciona:

Reações da vacina CoronaVac

A CoronaVac, produzia pelo laboratório chines Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, de São Paulo, foi a primeira a ser aplicada no Brasil e, segundo Pablo, atua a partir de uma partícula viral inativa. “Essas partezinhas do vírus vão fazer o sistema imunológico gerar a defesa”, explica.

Reações da vacina CoronaVac costumam ser mais brandas- Foto: Elisiane Roden/Prefeitura de GasparReações da vacina CoronaVac costumam ser mais brandas- Foto: Elisiane Roden/Prefeitura de Gaspar

Apesar da pandemia ter iniciado em 2020, o coronavírus não é um agente novo no mundo e, por isso, muitas pessoas já tiveram contato com outros tipos desse vírus. Esse contato anterior diminui a probabilidade de o vacinado apresentar reações à CoronaVac.

“Ela vai ter um perfil de reações inferior comparado a outras por causa da tecnologia com a qual é produzida”, fala Pablo. No caso da CoronaVac, as reações mais comuns são dor e vermelhidão no local da aplicação. “Coisas muito simples e brandas”, ressalta o infectologista.

Conforme a bula desse imunizante, as reações mais comuns registradas em estudo foram dor no local da aplicação, dor de cabeça e fadiga.

Reações da vacina AstraZeneca

A vacina britânica Oxford/AstraZeneca, produzida no Brasil pela Fiocruz, é considerada mais reatogênica, ou seja, a possibilidade desse imunizante causar reações é maior em comparação a outros.

Segundo Pablo, isso ocorre pelo mecanismo de atuação dela: nesse caso, a vacina tem um vetor viral como componente, o que faz com que o corpo tenha que reagir à vacina duas vezes: primeiro contra esse vetor e depois contra o material genético do vírus.

“As reações ocorrem por causa dessa super ativação da inflamação gerada pelo sistema imunológico”, fala. As reações da vacina AstraZeneca mais comuns têm sido dor no local e febre, com algumas pessoas apresentando também um quadro de cansaço após a vacinação.

Vacina da AstraZeneca é considerada mais reatogênica que as demais- Foto: Mauricio Vieira/Secom/NDVacina da AstraZeneca é considerada mais reatogênica que as demais- Foto: Mauricio Vieira/Secom/ND

Em estudo publicado na revista científica The Lancet no ano passado, 80% dos mais de 500 participantes tiveram reações locais, como dor ou inchaço no local da aplicação. Quase 80% também apresentaram as chamadas reações sistêmicas, como febre e dor de cabeça.

Reações da vacina Pfizer

A vacina da Pfizer/BioNTech começou a ser aplicada há pouco tempo no Brasil e possui um mecanismo de atuação diferente das demais.

Pablo explica que ela atua a partir do RNA mensageiro, uma parte do ciclo de vida do vírus que é de pré-construção e que vai induzir o sistema imunológico a continuar o processo.

Segundo ele, esse modo de funcionamento deve ser mais reatogênico do que o que ocorre na CoronaVac, mas menos do que na imunização feita com a AstraZeneca.Reações da vacina Pfizer mais comuns são dor no local e fadiga – Foto: Pixabay/ReproduçãoReações da vacina Pfizer mais comuns são dor no local e fadiga – Foto: Pixabay/Reprodução

Conforme a bula da vacina, com base em estudo com mais de 19 mil participantes, as reações da vacina Pfizer mais comuns são dor no local da injeção (mais de 80%), fadiga (mais de 60%), dor muscular e calafrios (mais de 30%), dor nas articulações (mais de 20%) e inchaço no local da aplicação (mais de 10%).

Vacina pode causar reações diferentes em cada pessoa

Se você tomou a vacina e teve menos ou mais reações, isso não é um indicativo da eficiência da vacina. Pablo explica que cada organismo age de maneira diferente.

“Tenho pacientes que fizeram a vacina e não tiveram nada, enquanto colegas médicos ficaram incapacitados no mesmo dia. É diferente”, ressalta. O infectologista também destaca que as vacinas são seguras e que os efeitos adversos são normais.

O que fazer se tiver reações à vacina contra a Covid-19

Pablo explica que o estado de febre por 48 horas, além de dor no local da aplicação e desconforto no corpo são comuns. “Isso é benigno, transitório e vai passar”, destaca.

Ele recomenda que o paciente não faça uso de anti-inflamatórios, uma vez que a inflamação é importante para o processo de criação de anticorpos. Para aliviar a dor e conter a febre, pode-se usar analgésicos.

ND Mais