Esportes
Foto: Rádio Uno 650 AM / Reprodução

A equipe de advogados paraguaios que defende Ronaldinho e seu irmão Roberto de Assis afirmou à Folha de S.Paulo que a decisão da Justiça do Paraguai de decretar a prisão preventiva da dupla, neste sábado (7), foi “arbitrária”.

— [A Justiça] não levou em consideração que Ronaldinho não sabe que cometeu um delito, porque não entendeu que lhe deram documentos falsos, ele é tonto — disse à reportagem o advogado Adolfo Marín.

Indagado pela reportagem, então, se a apelação que será feita incluiria um teste psiquiátrico, respondeu:

— Você está tomando muito literalmente o que eu disse.

Marín também afirmou que a juíza não teve consideração pelo fato de que “Ronaldinho é pai e em vez de estar com seu filho, que faz aniversário hoje, está dando declarações, dizendo a verdade, à Justiça paraguaia”.

Outro advogado, Hector Cáceres, disse que haverá uma reunião para que a defesa defina os próximos passos, mas que insistirão na linha de que “Ronaldinho fez de tudo para colaborar e merece ter o benefício da prisão domiciliar”.

Ronaldinho soltou algumas lágrimas ao sair da sala de interrogações. Algemado e escoltado por policiais, tropeçou nos tripés dos fotógrafos e câmaras, no curto corredor que teve de atravessar. Depois, entrou no veículo que o levou de volta à prisão, em Assunção.

Gaúcha ZH