Sexo
Foto: Ilustração

Inúmeros leitores nos questionam sobre as oscilações do desejo sexual, em homens e mulheres, ao longo da vida. Vamos tratar do assunto nas colunas de hoje e amanhã. Confira!

Aos 20 anos, os homens atingem seu auge físico, pois passam por um pico hormonal muito grande, principalmente do hormônio testosterona, responsável pelas características masculinas e desejo sexual. Mas também é o momento em que eles podem se mostrar ansiosos por causa da inexperiência. Cerca de 8% dos jovens relatam disfunção erétil neste período.

As mulheres, aos 20 anos, vivem o período mais fértil da vida. Isso pode fazer com que elas escolham quando e como fazem sexo, embora não esteja claro, exatamente o que esperam do sexo.

Entre os 30 e 40 anos, muitos homens continuam tendo um forte desejo sexual, embora os índices de testosterona já comecem a diminuir lentamente. Geralmente, caem, depois dos 40 anos, cerca de 1% ao ano. Isso pode acarretar efeitos no desejo sexual. Além disso, o estresse do trabalho, da família e de compromissos cotidianos podem afetar o interesse por sexo.

Auge feminino

Já as mulheres dessa faixa etária estão no auge de seu desejo. Nessa fase, normalmente, elas estão muito focadas na profissão e ainda há a cobrança pela maternidade. Esse conflito mexe com o desejo feminino.

Em qualquer idade, gravidez e parto têm um grande impacto na vida sexual feminina, mas é diferente para todas. O corpo e as taxas hormonais mudam.

Isso pode significar uma diminuição da libido. Gerar, amamentar e criar os filhos são ações que podem afetar o tempo, a energia e o interesse que as mulheres têm por sexo.

O que muda na sexualidade depois dos 50 anos

A partir dos 50 anos, se os homens estiverem gozando de boa saúde física e mental, podem e devem continuar desfrutando da vida sexual normalmente. O que se torna mais comum com a idade é o fato de suas ereções ocorrerem com menos frequência. Além disso, podem ser menos firmes.

Já para as mulheres dessa faixa etária, um “ninho vazio” ou menos preocupação com a gravidez podem deixá-las mais interessadas em sexo. Porém, à medida que se aproximam da menopausa, os níveis de estrogênio caem, o que pode afetar um pouco a libido e gerar a secura vaginal. Ondas de calor, ansiedade, ganho de peso e problemas relacionados ao sono também podem torná-las menos dispostas.

Diálogo

Conforme as dificuldades sexuais forem aparecendo, se você vive com alguém, a primeira coisa a fazer é conversarem sobre as necessidades e desejos um do outro. Não tenha receio de tentar coisas novas à medida que seu corpo evolui e seu estágio de vida muda. Isso pode ajudar a manter o casal envolvido e interessado em sexo. Honestidade sobre a satisfação física e emocional é fundamental. Pode até ser uma boa ideia deixar de lado certos constrangimentos para ter momentos mais íntimos.

Se não conseguir ultrapassar essa barreira sozinho, faça uma consulta online com uma terapeuta sexual ou sexóloga. Às vezes, em poucos encontros é possível resolver grandes barreiras.

Falando de Sexo/Diário Gaúcho