Geral
Foto: Saer Fron

O programa Tribuna Popular deste sábado conversou com o estudante Jardel Tamiozzo, de Tenente Portela, que é um dos sobreviventes do naufrágio do Rio Uruguai.

Jardel disse que percebeu que havia bastante gente no barco. Ele citou também que ele chegou a contar os ocupantes do barco, que eram 15 mais o barqueiro. Ele disse que as correntezas estavam fortes e que não foi solicitado que os passageiros colocassem os coletes. Em seu relato ele contou que a água estava mais ou menos um palmo de entrar na embarcação.

Tamiozzo disse que tem experiência em embarcação, já que ele mesmo tem barco, mas que quando entrou água, no início que ele achou, que daria tempo de atravessar, mas seguiu entrando água e os passageiros pediram para que o barqueiro reduzisse a velocidade. Jardel diz que o condutor até atendeu o pedido, mas não foi eficiente.

Foto: Arquivo Pessoal

“No momento que o barco começou encher de água, as pessoas foram para trás do barco, ele acabou enchendo mais e virou.” Ele relata que ficou embaixo do barco, e quando conseguiu escapar, algumas pessoas estavam se segurando no barco que estava boiando virado. Ele disse que encontrou sua namorada, e que a partir de alguns instantes, ele decidiu com ela, nadar a favor da correnteza para tentar chegar na margem.

O resgate, segundo Jardel, levou entre 10 e 15 minutos, quando outros barcos chegaram no local e começaram a resgatar as pessoas.

Sobre Andrei Franchini, ele disse que quando todos estavam nos barcos, foi falado no nome de Andrei, mas que a falta dele foi constada, quando chegaram a margem, quando foi feita contagem, descobriram que ele não estava entre os resgatados.

Jardel voltou a reforçar que estavam 15 pessoas no barco, mais o condutor. “Sempre foi segura a travessia, acredito que foi pelo excesso de pessoas.”

Rádio Província