Polêmica
Foto: Divulgação

Um pronunciamento do vereador Nelio Marcos Jaroszewski (MDB), de Guarani das Missões, provocou forte reação entre os artistas regionalistas do Rio Grande do Sul. Ao comentar o projeto do colega Fabiano Kapelinski (PTB),  que busca incentivar oficinas de música em escolas da cidade, Jaroszewski  reclamou da dificuldade em buscar profissionais como borracheiros, trotoristas e pedreiros, e defendeu a criação da ‘cultura do trabalho’.

“Porque a cultura da musiquinha vai criar uma geração de mendigo, de vadio, que não tem fundamento. E vai terminar esse povo”. Logo em seguida, ele emendou, contradizendo-se.  “Respeito todo mundo, quem toca, quem canta, quem faz, tem o respeito nosso porque buscam praticar a cultura, buscam o trabalho”.

Gaiteiro do Tchê Garotos, o músico Markinhos Ulian se diz revoltado, especialmente pela declaração partir de um homem público da região (Missões) que considera ser um  berço de grandes  artistas do estado.

“Quantos pais não gastam dinheiro para comprar um instrumento, permitir que seus filhos aprendam música? Usar o dinheiro do povo para dizer que músico não é profissão, o que é isso? Defender a música é defender a população, inclusive o salário de um vereador é pago por músicos também, com dinheiro do seu trabalho”, diz o Markinhos.

Procurado pela reportagem, o vereador disse que “‘falhou” como cidadão ao se manifestar sobre os músicos e reconhece que as declarações foram ofensivas. “Não era isso que eu quis dizer, tanto que votei favorável ao projeto (das oficinas), pois a música educa e instrui”. O que ele disse ter sido contra seria associar as oficinas de música à uma rede social de vídeos curtos. “Peço perdão a todos os músicos que se sentiram ofendidos pela minha fala”, disse o Nélio.

Receba as notícias do Três Passos News no seu celular:

https://chat.whatsapp.com/HZcQ9vXiMIN1GC4kHcXcvC

Giovani Grizotti