Especial
Foto: Ilustração

Restam atualmente apenas duas populações disjuntas dessa espécie no Rio Grande do Sul. Uma delas está confinada à região do Parque do Turvo e a outra à região dos Aparados da Serra, no nordeste do Estado. São aves que naturalmente ocorrem em baixas densidades populacionais, embora possam se congregar ao redor de carcaças ou poleiros tradicionais.

Urubu Rei

Sarcoramphus papa (urubu-rei)Restam atualmente apenas duas populações disjuntas dessa espécie no Rio Grande do Sul. Uma delas está confinada à região do Parque do Turvo e a outra à região dos Aparados da Serra, no nordeste do Estado. São aves que naturalmente ocorrem em baixas densidades populacionais, embora possam se congregar ao redor de carcaças ou poleiros tradicionais. Não ocorrem nas proximidades de aglomerados humanos, necessitando de grandes áreas de hábitat. Parece plausível que o urubu-rei dependa, pelo menos até certo ponto, da atividade de predadores carnívoros de grande porte, como a onça e o puma, para um fornecimento regular de carcaças sob a forma de restos de repastos desses felinos. A espécie integra a Lista das Espécies da Fauna Ameaçadas de Extinção no Rio Grande do Sul.📷 Anderson Cristiano Hendgen

Publicado por Parque Estadual do Turvo em Quinta-feira, 2 de abril de 2020

Não ocorrem nas proximidades de aglomerados humanos, necessitando de grandes áreas de hábitat. Parece plausível que o urubu-rei dependa, pelo menos até certo ponto, da atividade de predadores carnívoros de grande porte, como a onça e o puma, para um fornecimento regular de carcaças sob a forma de restos de repastos desses felinos. A espécie integra a Lista das Espécies da Fauna Ameaçadas de Extinção no Rio Grande do Sul.

Anderson Cristiano Hendgen