Polêmica
Foto: Reprodução

Um vídeo que mostra brigadistas do ICMBio colocando fogo em várias áreas tem viralizado nas redes sociais. Muitas pessoas tem questionado a prática e o motivo.

O Portal Peperi fez contato com o instituto nesta quarta-feira, 16, que confirmou a prática. A reportagem recebeu uma nota de esclarecimento.

Confira:

O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade autarquia federal vinculada ao Ministério do Meio Ambiente, esclarece que os esforços de combate aos incêndios florestais no Pantanal Matogrossense têm sido realizados continuamente desde o dia 12 de agosto deste ano, com um comando local das operações, esquadrões de brigada distribuídos em campo e apoio aéreo.

Neste momento, parte dos recursos está concentrada no município de Cáceres/MT, em cujo território encontram-se 3 unidades de conservação federais ameaçadas pela propagação das chamas: Estação Ecológica da Serra das Araras, Reserva Particular do Patrimônio Natural Jubran e Estação Ecológica de Taiamã.

Nesta última unidade de conservação, entre os dias 12 e 13 de setembro, foi realizada uma manobra de combate indireto aos incêndios florestais conhecida como “queima de expansão”, cuja técnica consiste em eliminar o combustível em pequenas faixas do terreno através da aplicação do fogo. O controle dessa técnica exige pessoal treinado e experiente, pontos de ancoragem muito bem definidos e condições meteorológicas favoráveis para que o fogo não se alastre e inicie um novo incêndio. Todas essas condições foram obedecidas e a queima foi considerada um sucesso.

A Estação Ecológica de Taiamã continua protegida, sem incêndios no seu interior. No entanto, desde ontem, 14 de setembro, um vídeo que circula pela internet tem gerado diversos mal-entendidos sobre as ações do ICMBio. Ele foi produzido e divulgado por um brigadista que esteve em campo, trazendo uma versão errônea sobre a prática de que ele participara.

Reafirmando o seu compromisso com a sociedade e a natureza do Brasil, o ICMBio espera que estes esclarecimentos cheguem ao maior número de cidadãos e que o trabalho no Pantanal Matogrossense continue até o fim dos terríveis incêndios florestais que o acometem.

Peperi