Polícia
Foto: Ilustração

Uma mulher compareceu ao Centro de Operações para comunicar que foi vítima do falso bilhete premiado. Em boletim de ocorrência, a comunicante disse que se deslocava pela Avenida Coronel Dico, próxima a agência do Sicredi Imigrante quando foi parada por uma mulher.

Esta questionou a comunicante se ela sabia o endereço de um atelier de costura, porém, na negativa da informação, a vítima contou que outra mulher se aproximou afirmando que teria em mãos um bilhete premiado no valor de R$ 1,247,00.

Diante das dúvidas sobre a veracidade do valor, a falsante entrou em contato com um homem por telefone que confirmou supostamente a premiação da Quina. Diante disso, as duas criminosas começaram discutir afirmando que não poderiam ficar com o prêmio, mas, para uma importava apenas a quantia de R$ 100,00. A outra golpista disse que não poderia ficar com o bilhete premiado, pois sua religião não permitia a aposta.

Ainda, de acordo com relatos da comunicante, o bilhete restou como proposta a ela, que entregou nas mãos das criminosas seu cartão e senha enquanto se deslocou a um supermercado. Instantes depois, ao verificar a movimentações na conta, a vítima percebeu um depósito de R$ 10, 000 em nome de E.B.M e a efetivação de compras no valor de R$ 3,500 e um saque de R$ 1,500. O prejuízo foi de R$ 15,000 a vítima que não soube informar o rumo das golpistas.

Repórter Janio Fernandes